Blog – Daniela Alves

Base de Dados sobre o Tráfico da Vida Humana

  • APP deste Blog para Celular

    APP para celular

  • ENQUETE – Serviço Consular Brasileiro: Você já precisou de auxílio urgente da embaixada ou consulado do Brasil e foi negligenciado(a)?

    CLIQUE ABAIXO E RESPONDA A ENQUETE ENQUETE - Serviço Consular Brasileiro: Você já precisou de auxílio urgente da embaixada ou consulado do Brasil e foi negligenciado(a)?
  • Conheça a campanha UNODC

  • Siga-me no Twiter

    Twiter
  • Crimes na Internet

  • Translator

  • Posts mais lidos

Trabalho escravo em Cancún e na Riviera Maia

Posted by Daniela Alves em janeiro 11, 2008


Denúncia de organizações humanitárias do México apontam que milhares de camponeses estão sendo empregados em condições análogas à de escravidão na construção de luxuosos hotéis nos redutos de veraneio de Cancún e Riviera Maia, estado de Quintana Roo, na fronteira do México com Belize.

Os pedreiros, vindos de zonas rurais dos estados de Chiapas, Veracruz e Tabasco, trabalham sem seguro médico, com jornadas muito acima das 8 horas diárias definidas por lei, e recebem salários baixíssimos, segundo denunciou nesta quarta-feira (9) o jornal mexicano El Universal.

Os trabalhadores em questão, diz o jornal, “constroem os hotéis mais caros do país em Cancún e na Riviera Maia, onde não poderão nunca se hospedar, nem em sonho”.
 
A matéria cita o documento “Problemática dos trabalhadores migrantes sazonais, provenientes de Chiapas e da zona norte de Quintana Roo”, encomendado pela organização humanitária católica Cáritas em Chiapas.

O relatório indica que os trabalhadores da valorizada costa do Caribe são “expulsos pelos fortes problemas econômicos que atravessam” suas comunidades. Seus salários nessas regiões turísticas variam entre US$370 a US$500, mas têm elevados custos de vida e enviam dinheiro às suas famílias.

Essas pessoas trabalham temporariamente – por três ou quatro meses – e voltam às suas comunidades com problemas ligados ao alcoolismo ou enfermidades.

Em sua maioria, estes chiapanecos são indígenas maias das regiões de Chilón, Ocosingo, San Cristóbal de la Casas ou Simojovel, e não falam espanhol, apenas línguas como o tzeltal, tzotzil, tojolabal, chol e zoque.

Os imigrantes “perdem identidade e esquecem seus costumes e tradições”, aponta o documento.

Em Cancún e na Riviera Maia, se hospedam em galpões insalubres ou em parques públicos, comem alimentos de baixa qualidade, não têm nenhum tipo de recreação e estão expostos à transmissão de doenças como a Aids pelo contato com prostitutas, de acordo com o relatório.

Fonte: Agência ANSA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: