Blog – Daniela Alves

Base de Dados sobre o Tráfico da Vida Humana

  • APP deste Blog para Celular

    APP para celular

  • ENQUETE – Serviço Consular Brasileiro: Você já precisou de auxílio urgente da embaixada ou consulado do Brasil e foi negligenciado(a)?

    CLIQUE ABAIXO E RESPONDA A ENQUETE ENQUETE - Serviço Consular Brasileiro: Você já precisou de auxílio urgente da embaixada ou consulado do Brasil e foi negligenciado(a)?
  • Conheça a campanha UNODC

  • Siga-me no Twiter

    Twiter
  • Crimes na Internet

  • Translator

  • Posts mais lidos

MADAGÁSCAR: Visitantes sim, turismo sexual não

Posted by Daniela Alves em outubro 15, 2008


Os pôsteres de advertência começam no aeroporto da capital, Antananarivo, a informar aos visitantes que Madagascar diz “NÃO ao turismo sexual”e que “mulheres malagaxes não são souvenirs de viagem”.

Grandes cartazes a informar aos que chegam que as autoridades irão processar aqueles que forem pegos praticando sexo com crianças acompanham o caminho para a cidade, e em hotéis turísticos – junto a um pôster colorido que diz “Bem-vindo a Madagasikara – a terra dos lémures” – é provável que haja um aviso de que o hotel tem o direito de verificar a idade de qualquer pessoa que acompanhe os hóspedes aos seus quartos.

Madagascar, a grande ilha tropical na costa leste da África, está a tentar sair do mapa de turismo sexual, e especialmente a fechar as portas para os pedófilos à procura de menores.

Para enfatizar o compromisso, o governo adoptou uma nova lei contra a exploração sexual de menores que inclui punição dos exploradores adultos; como resultado, diversos estrangeiros foram condenados.

Mas um passeio à noite pelas ruas de Toliara, uma cidade turística que está a prosperar no sul de Madagascar, mostra que ainda há muito a ser feito. Profissionais do sexo dominam as ruas, a jogar beijos e acenar para os estrangeiros, na tentativa de lucrarem com os turistas que não estão a visitar essa empobrecida ilha do Oceano Índico pela sua biodiversidade única.

“É um lugar muito barato, as mulheres são bonitas, há pouco controle do turismo sexual. Ninguém diz nada a respeito; pode-se vir aqui e fazer o que quiser” disse Jose Louis Guirao, que gere projectos da Bel Avenir, uma organização não-governamental (ONG) que promove iniciativas sociais e relacionadas a educação e saúde. “As mulheres começam quando têm 10 a 12 anos; são muito novas.”

Um relatório realizado pelo Departamento de Estado dos EUA este ano afirmou que Madagascar era um “país onde mulheres e crianças são traficadas para os propósitos de exploração sexual”, mas elogiou o governo por estar a tentar acabar com o problema.

A realidade

A realidade é que as crianças, em geral nas áreas rurais, são altamente vulneráveis à exploração: são traficadas para escravidão doméstica, trabalho forçado e trabalho sexual. As crianças muitas vezes entram no mercado de trabalho com a aprovação das mães, para quem sua renda pode ser a única fonte de sustento. Na Província de Toliara, por exemplo, 80 por cento das pessoas vivem na pobreza.

''Nós aceitamos qualquer cliente que houver porque precisamos do dinheiro. Eu não digo ´não´, mas a menina que consegue o cliente loiro, francês ou americano, é a que tem a melhor sorte.''

Bruno Maes, representante em Madagascar e nas Comores do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), é categórico na sua condenação da exploração sexual de crianças.

“Uma criança que é vítima de abuso sexual pode sofrer consequências sérias e para a vida inteira; é um crime que é totalmente inaceitável em todos os contextos. A UNICEF tem consciência da sua disseminação em Madagascar”, disse.

No escritório da Bel Avenir, Aline, uma profissional do sexo, participa de uma reunião com suas colegas, algumas das quais trouxeram seus filhos, para saber mais sobre seus direitos, oportunidades futuras e protecção.

Aline faz piadas e brinca com os preservativos distribuídos pela ONG, mas fica séria quando fala sobre seu trabalho. “Nós aceitamos qualquer cliente que houver – precisamos de dinheiro. Eu não digo não, mas a menina que consegue o cliente loiro, francês ou americano, é a que tem melhor sorte”, disse ela. “Muitos estrangeiros vêm para Toliara e ficam com meninas. Eles gostam de Madagascar, mas gostam ainda mais das meninas mais jovens.”

Os principais países de onde vêm os turistas sexuais são França, Itália, Espanha, Alemanha e Suíça, e as ilhas vizinhas Maurícias e Reunião. As vítimas em geral são meninas, mas registos de turistas estrangeiros homens à procura de meninos menores de idade está a tornar-se mais frequente.

Grupos militantes dizem que progresso está sendo feito na luta contra o turismo sexual, mas o controlo é difícil por causa da corrupção, e até mesmo protesto dos pais das crianças – prostituição é frequentemente uma ocupação hereditária passada adiante para as próximas gerações.

Madagascar até agora foi muito menos afectada pela SIDA do que a maioria dos países da África continental, mas organizações internacionais advertem que isso pode mudar rapidamente. “A completa falta de conhecimento sobre a doença, segundo o que vejo aqui, significa que em breve pode ser muito, muito pior”, afirmou Guirao, da Bel Avenir.

Um rápido crescimento económico relacionado aos projectos locais de mineração atraiu profissionais do sexo do outro lado da ilha para as novas cidades, e uma epidemia de sífilis na cidade de mineração Fort Dauphin no sudeste em 2007 foi alarmante: apontou para a escassez de uso do preservativo, além de que infecções sexualmente transmissíveis aumentam o risco da transmissão de HIV.

Ao ser questionada sobre o uso de preservativos dados pela Bel Avenir, Aline disse: “Muitos clientes não querem usar, e dão dólares ou euros, então concordo em não usar. Assim é a minha vida em Madagascar”.

Fonte: IRIN.

Anúncios

Uma resposta to “MADAGÁSCAR: Visitantes sim, turismo sexual não”

  1. LILIAN GUEOLY said

    Esse artigo tá muito legal vou leva-lo para a semana da consciência negra na escola onde estudo Parabéns!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: