Blog – Daniela Alves

Base de Dados sobre o Tráfico da Vida Humana

Posts Tagged ‘EUA’

EUA desmontam rede de tráfico de pessoas

Posted by Daniela Alves em junho 16, 2011

Uma rede de tráfico internacional de pessoas foi desmontada, esta semana, por autoridades federais norte-americanas. Cinco brasileiros, suspeitos de levar imigrantes ilegais aos Estados Unidos, foram detidos em Nova Jersey, Massachusetts e no Texas. Eles viviam ilegalmente no país.

Centenas de imigrantes ilegais eram levados aos EUA pelo grupo, e grande parte é de mulheres que trabalham como dançarinas em clubes de striptease. Segundo os promotores, o grupo cobrava de US$13 mil a US$ 25 mil por cada imigrante que conseguisse atravessar para o território americano através do México, por St. Maarten, pelas Ilhas Virgens ou por  Porto Rico.

Os brasileiros presos podem ser condenados a pagar multas e pegar pena de até 10 anos de prisão. Mark Berman, advogado de defesa do grupo, não quis comentar o caso.

Documentos judiciais mostram que duas rotas principais eram utilizadas: uma via aérea, entre São Paulo e Cidade do México, e a outra via terrestre, de ônibus, ao longo da fronteira com os EUA. A segunda rota era mais cara, feita de avião e por barcos partindo de diversas ilhas do Caribe.

Fonte: http://www.jb.com.br/internacional/noticias/2011/06/15/eua-desmontam-rede-de-trafico-de-pessoas/

Posted in Tráfico de Pessoas | Etiquetado: , | Leave a Comment »

Detenidos diez estadounidenses que pretendían sacar de Haití a 33 niños

Posted by Daniela Alves em fevereiro 1, 2010

La Policía haitiana ha detenido a diez ciudadanos estadounidenses que fueron sorprendidos cuando intentaban sacar ilegalmente de Haití a 33 menores, en lo que se sospecha sea una trama de adopciones ilegales.
Según han informado autoridades haitianas, las detenciones se produjeron en Malpasse, el principal paso fronterizo entre Haití y República Dominicana a raíz de un registro rutinario del vehículo en el que viajaban. Fue entonces cuando descubrieron a los niños, de entre 2 meses y 12 años de edad, y que los estadounidenses carecían de documentos que justificaran su adopción ni tan siquiera que demostraran que son huérfanos.
«Es totalmente ilegal», ha afirmado el ministro de Asuntos Sociales haitiano, Yves Cristalin. «Ningún menor puede salir de Haití sin la debida autorización y estas personas no la tenían».
Los arrestados, cinco hombres y cinco mujeres, están bajo custodia en la capital, Puerto Príncipe. Una de los detenidas, que asegura ser la máxima responsable de una organización caritativa de Idaho llamada New Life Children’s Refuge (Refugio para Menores Nueva Vida), Laura Sillsby, sostiene que no han hecho nada malo.
«Volver a por el papeleo»«Teníamos permiso del Gobierno de República Dominicana para llevar a los niños a un orfanato que tenemos allí (. . . ). Tenemos a un sacerdote baptista aquí cuyo orfanato se derrumbó totalmente y nos pidió llevar a los niños a República Dominicana», ha segurado desde una celda de la sede central de la Policía Judicial haitiana. «Yo iba a volver aquí para hacer el papeleo. Nos acusan de tráfico de menores. Es algo que nunca haría. No íbamos a hacer nada malo», ha apuntado.
La Policía Nacional de Haití ha indicado que cabe la posibilidad de que los sospechosos sean juzgados en Estados Unidos, si se pide su extradición. «Han cometido el delito aquí y vamos a hacer las diligencias policiales normales y enviar los documentos para la instrucción judicial para que la Justicia pueda hacerse cargo del caso», ha indicado el portavoz de la Policía haitiana, Frantz Lerebours. Sin embargo, al tratarse de ciudadanos estadounidenses existe la posibilidad de que sean trasladados a su país si las autoridades de Estados Unidos presentan la correspondiente demanda de extradición.
El Gobierno haitiano ha confirmado que existe tráfico de niños en el país caribeño tras el terremoto que el pasado 12 de enero devastó la capital, Puerto Príncipe, y otras poblaciones cercanas. También UNICEF y otras organizaciones humanitarias, entre ellas varias del norte de la República Dominicana, han expresado en los últimos días su preocupación ante el tráfico de menores y la posibilidad de que sean víctimas de redes de trata de personas.

Posted in Tráfico de Crianças e Adolescentes | Etiquetado: , , , , , | Leave a Comment »

México: Desde Puebla parten dos rutas de trata de personas hacia EU

Posted by Daniela Alves em outubro 1, 2009

Las bandas dedicadas a la trata de personas con fines de explotación laboral y sexual ocupan al menos dos rutas para traficar con menores que parten desde Puebla, y llegan al norte del país, a fin de internar a las víctimas a los Estados Unidos o bien, desde ahí llevarlas a las Bahamas y España.

Así lo establece el Diagnóstico de las Condiciones de Vulnerabilidad que Propician la Trata de Personas en México, elaborado por la Comisión Nacional de Derechos Humanos (CNDH).

La primera de las rutas parte de Puebla y cruza por Hidalgo, Ciudad Victoria, Chihuahua y Matamoros, Tamaulipas, hasta llegar a la frontera con Estados Unidos; la segunda es por Puebla, Distrito Federal, Michoacán, Guadalajara, Sinaloa, Sonora y Tijuana.

El informe revela que la Fiscalía Especial para los Delitos de Violencia contra las Mujeres y Trata de Personas (FEVIMTRA), adscrita a la Procuraduría General de la República (PGR), reportó que durante 2008 se iniciaron 24 averiguaciones previas por el delito de trata de personas, de las cuales únicamente dos fueron consignadas.

Entre las víctimas se encuentran mujeres mexicanas y extranjeras, procedentes principalmente de El Salvador, Corea, Argentina, China, Honduras, Perú y Guatemala, que dieron información sobre su paso por el estado de Puebla.

Según el Informe de la FEVIMTRA, las averiguaciones previas iniciadas ocurrieron principalmente en las entidades de Coahuila, Chiapas, Chihuahua, Distrito Federal, Estado de México, Guanajuato, Guerrero, Hidalgo, Jalisco, Morelos, Nayarit, Oaxaca, Puebla, Tlaxcala, Veracruz y Yucatán.

De las 24 averiguaciones previas, tres se relacionan con delitos cometidos fuera del país: en España, Bahamas y Estados Unidos de Norteamérica.

La CNDH señala que la FEVIMTRA atendió durante 2008 sólo a 30 personas víctimas de este delito, lo cual demuestra –según el informe- la disparidad entre el probable número de víctimas anuales en México y la capacidad de atención de las autoridades.

Desfasada la entidad sobre la penalidad para castigar la trata de personas

El estado de Puebla está desfasado en la penalización de la trata de personas, al imponer sólo una sanción de cuatro a nueve años de prisión y una multa de 400 a 900 días de salario mínimo a quien cometa este delito, lo que es cuatro veces menos a la pena máxima considerada por la Ley Para Prevenir y Sancionar la Trata de Personas a nivel federal.

Según el estudio, actualmente en Puebla hay 283 mil 236 menores de entre 5 y 17 años que tienen una actividad laboral, de los cuales 106 mil 295 no asisten a la escuela.

La entidad poblana se ubica entre los estados que imponen las sanciones más bajas para quienes cometen estos delitos con respecto a la Ley para Prevenir y Sancionar la Trata de Personas, la cual señala dos penas: de 6 a 12 años y de 9 a 18 años de prisión, así como la posibilidad de aumentarlas hasta en un 50 por ciento.

En este sentido, estados como Aguascalientes, Chiapas, Chihuahua, Colima, Distrito Federal y Estado de México, entre otros, sí están apegadas a la pena que impone la ley federal.

Además, en Puebla sólo se castigan seis conductas delictivas de la trata de personas, cuando entidades como Guanajuato, Aguascalientes, Estado de México, Oaxaca y Sonora sancionan entre 13 y 14 variantes de este delito; por ejemplo, en Puebla no se consideran los medios comisivos como: la violencia física o moral, el engaño y el abuso de poder.

Fonte: http://www.e-consulta.com/index.php?option=com_content&task=view&id=36898&Itemid=181

Posted in Tráfico de Pessoas | Etiquetado: , , , | Leave a Comment »

Hillary espera que Pyongyang conceda “anistia” a 2 jornalistas dos EUA

Posted by Daniela Alves em julho 15, 2009

A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, espera que Pyongyang conceda anistia às duas jornalistas americanas que cumprem condenação de 12 anos de trabalhos forçados por terem entrado ilegalmente na Coreia do Norte.

Em discurso pronunciado perante os funcionários civis e o pessoal diplomático do Departamento de Estado, a chefe da diplomacia americana lembrou que as duas jornalistas, Laura Ling e Euna Lee, mostraram seu “grande arrependimento” por suas ações e “todo mundo lamenta muito o que aconteceu”.

“O que esperamos é que seja concedida a estas duas jovens a anistia (…) e a permissão para retornar o mais rápido possível a suas casas e estar com suas famílias”, assinalou.

Além disso, Hillary anunciou que seu departamento impulsionará, pela primeira vez, uma revisão quadrienal das estratégias diplomáticas e de desenvolvimento a fim de melhorar o planejamento e os recursos da política externa dos EUA.

Ling e Lee reconheceram recentemente ter cometido “atos ilegais” para uma campanha de calúnias contra o país comunista, segundo o Governo norte-coreano.

De acordo com Pyongyang, no julgamento realizado entre os dias 4 e 8 de junho ficou provado que as duas jornalistas cruzaram a fronteira da China em direção à Coreia do Norte.

Foram detidas no dia 17 de março na fronteira norte-coreana com a China enquanto gravavam imagens para um documentário sobre o tráfico de mulheres refugiadas norte-coreanas.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1225655-5602,00-HILLARY+ESPERA+QUE+PYONGYANG+CONCEDA+ANISTIA+A+JORNALISTAS+DOS+EUA.html

Posted in Tráfico de Mulheres | Etiquetado: , , , , | 2 Comments »

Policiais do Ceará receberão formação de agentes do FBI

Posted by Daniela Alves em fevereiro 17, 2009

Durante dois anos, seis eixos temáticos serão abordados na troca de experiências entre policiais brasileiros e americanos

Policiais civis cearenses – delegados, inspetores, escrivães e peritos criminais – passarão por um programa de formação no combate ao crime organizado junto a duas das mais respeitadas instituições da área de Justiça e Segurança Pública dos Estados Unidos (EUA), o Departamento de Justiça americano e o FBI (Birô Federal de Investigações), a Polícia Federal daquele País.

A informação, obtida com exclusividade pelo Diário do Nordeste, foi confirmada pelas autoridades locais. Trata-se de um projeto denominado de ´PONTES´, que vai estender suas ações também para outros Estados do Nordeste brasileiro. Na semana passada, o secretário-adjunto da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, delegado José Nival Freire, acertou os últimos detalhes do intercâmbio com Karine Moreno Taxman, conselheira legal residente do Departamento de Justiça da Embaixada dos Estados Unidos na América.

O intercâmbio entre as forças policiais dos dois países já tem data e formato definidos. Serão seis cursos ou ´módulos´ para tratar, cada um deles, de um aspecto específico no combate ao crime organizado. ´Dentro desses seis eixos será trabalhado o intercâmbio”, afirma Nival Freire.

Segundo o secretário-adjunto, os cursos deverão ser realizados no período de dois anos, o primeiro já com data marcada. Acontecerá em abril próximo em Pernambuco, e vai tratar sobre o crime de pedofilia. “Cada um dos encontros reunirá representantes do Ceará e de outros Estados nordestinos com autoridades americanas”, afirma Freire.

Além da pedofilia, temas importantes e atuais, como o uso do DNA na investigação para o esclarecimento de crimes complexos, um dos eixos deverá atrair mais atenção e deverá reunir, em Fortaleza, especialistas nas investigações de homicídios. “Estaremos implantando este ano, no Ceará, a Divisão de Homicídios. Esta é a determinação do governador Cid Gomes, e o anseio do secretário (da Segurança) Roberto Monteiro. Portanto é um tema que nos interessa bastante e vamos tentar trazer o curso para Fortaleza.”, diz Freire. O tema ´Formação de Força-Tarefa para o Esclarecimento de Homicídios”, trará à Capital cearense especialistas americanos no assunto, investigadores do FBI.

Experiências

“Vamos criar uma delegacia moderna (Homicídios) e este momento vem casar com a formação do pessoal que trabalhará nela. Com a troca de experiências com a Polícia americana, teremos condições de realizar investigações eficientes”, afirma Nival Freire. O intercâmbio prevê, além da presença de autoridades americanas no Brasil, a ida de policiais brasileiros aos EUA.

EXPERIÊNCIAS

Secretário ressalta importância da parceria no setor criminal

Em uma reunião com a conselheira legal residente do Departamento de Justiça da Embaixada dos Estados Unidos na América, Karine Moreno Taxman, o secretário-adjunto da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, delegado José Nival Freire, fez questão de lembrar da importância que o intercâmbio trará para os policiais cearenses que formarão a equipe de trabalho da Divisão de Homicídios.

“Além do compromisso formal que reuniu o governador em exercício e o embaixador e o cônsul americanos em Fortaleza, tive a preocupação de me reunir isoladamente com a conselheira para explicar a importância que será a realização do curso em Fortaleza para tratar da formação de força-tarefa para investigar homicídios”, explica o secretário.

A conselheira americana ficou entusiasmada com a idéia de trazer ao Ceará os maiores especialistas americanos em investigações de crimes.

“O secretário (Roberto Monteiro) tem tido uma preocupação constante e ao mesmo tempo uma determinação na apuração dos crimes contra a vida. Apesar de viverem realidades sociais diferentes, tanto americanos como os brasileiros enfrentam na área da criminalidade um só fator: a expansão do consumo e tráfico de drogas sintéticas, como o crack e a cocaína. São elas as maiores responsáveis pelo aumento das estatísticas dos assassinatos. A mesma droga que é usada lá, também é usada aqui”, afirma Nival Freire. acreditando que a parceria internacional entre as autoridades será exitosa.

PREOCUPAÇÃO

Áreas turísticas do Nordeste brasileiro são alvos do crime

Durante dois anos, 2009 e 2010, será realizado o projeto de parceria entre as autoridades criminais e da Justiça dos Estados Unidos com o Brasil, especificamente com as polícias dos estados do Nordeste, já que o foco é impedir a expansão da criminalidade na região que tem como vocação a indústria turística.

Conforme as autoridades americanas, ´o projeto foi concebido para fornecer treinamentos sob medida para a Região Nordeste do Brasil. Os cursos propostos focam as necessidades identificadas ao grupo de trabalho e força policial pela comunidade policial e pelos setores da Justiça.´

Os cursos já programados vão tratar dos seguintes temas: desenvolvimento de forças-tarefas contra homicídios, programa de segurança de testemunhas e vítimas e segurança de juizes e promotores – casos de tráfico de drogas e crime organizado, uso de provas de explosivos e armas de fogo para o desenvolvimento de processos contra organizações de tráfico e de crime organizado, crimes contra crianças: pornografia infantil e tráfico de seres humanos, lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e outras atividades ilegais proteção de fronteiras, investigação de violações alfandegárias e investigação e persecução de crimes de tráfico de seres humanos.

Federal

No documento que formaliza a parceria entre as autoridades brasileiras e americanas há uma ressalva de que os cursos a serem proferidos para os policiais nordestinos deverão ser coordenados com a ação da Polícia Federal. ´É imperativo que o DPF seja parceiro conosco para assim podermos preservar nossa forte relação´, diz o projeto.

Outro ponto de destaque é quanto ao curso de que visa o desenvolvimento da Segurança Pública. Nele está prevista a ida de policiais brasileiros aos Estados Unidos e ali visitar quatro comunidades que utilizaram força-tarefa policial em apoio à revitalização urbana.

FIQUE POR DENTRO

Participantes irão aos EUA e visitar a ATF

Durante o curso que tratará do tema ´explosivos e armas de fogo por traficantes de drogas e pelo crime organizado´, policiais federais e estaduais, e até juizes de Direito serão o público-alvo. Eles deverão viajar aos Estados Unidos e ali visitar a sede da ATF (Escritório de Regulação de Álcool, Tabaco e Armas de Fogo), além de vários laboratórios criminais.

O mesmo grupo deverá ainda visitar uma unidade de ´cold case´, unidade de homicídios e se encontrar como promotores e policiais para aprenderem como laudos de balísticas têm sido utilizados para provar crimes. Além disso, os participantes se encontrarão com forças-tarefas policiais específicas que lidam com delitos como o contrabando e venda clandestina de armas de fogo que são fornecidas para gangues, adolescentes e organizações criminosas que traficam armas.

No dia 18 de maio está previsto, em Salvador (BA) a realização de um curso específico para tratar da investigação científica que utiliza a identificação de DNA como instrumento científico na Perícia Forense. Neste módulo, os policiais saberão, por exemplo como usar a tecnologia para a identificação e interpretação de indícios que se tornarão provas dentro do contexto da investigação criminal baseada no DNA.

Fernando Ribeiro

Fonte: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=615488

Posted in Crime Organizado Transnacional | Etiquetado: , , | Leave a Comment »

FBI desmantela redes de prostituição infantil nos EUA

Posted by Daniela Alves em novembro 4, 2008

Autoridades americanas prenderam mais de 600 pessoas nos Estados Unidos em ações coordenadas contra a exploração sexual infantil.

As operações ocorreram em 29 cidades, envolvendo agentes federais, estaduais e locais, segundo o FBI.

As autoridades afirmam ter desmantelado 12 redes de prostituição em larga escala e resgatado 47 crianças entre 13 e 17 anos de idade. Quase todas, menos uma, são meninas.

Segundo o FBI, desde 2003 as autoridades americanas salvaram 575 crianças da exploração sexual perpetrada por gangues criminosas.

De acordo com as autoridades, muitas das redes de prostituição desmanteladas eram operadas por centrais telefônicas, paradas para caminhoneiros, cassinos e sites na internet.

Tráfico

Geralmente, o FBI só se envolve em casos de exploração sexual infantil que cruzam as fronteiras estaduais.

Durante uma coletiva de imprensa em que os resultados da operação foram anunciados, o vice-diretor do FBI, John Pistole, disse que as prisões foram possíveis graças à inteligência recolhida em ações similares em junho passado.

“O tráfico sexual de crianças permanece um dos crimes mais violentos e inescrupulosos deste país”, disse ele.

Das crianças resgatadas na operação, dez estavam em uma lista do Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas.

Ao todo, 642 pessoas foram presas, entre elas, 73 cafetões e 518 prostitutos adultos de ambos os sexos.

Problema crescente

Segundo a imprensa, a exploração sexual infantil se tornou uma questão urgente nos últimos anos, como ficou demonstrado pelo crescimento de redes online em que cafetões oferecem adolescentes para clientes.

Um estudo recente da Universidade da Pensilvânia estimou que cerca de 300 mil crianças nos Estados Unidos sofrem risco de ser exploradas sexualmente para fins comerciais.

“Não se engane, os menores que foram detectados como parte desta operação são vítimas da forma mais extrema de tráfico sexual”, disse o procurador geral assistente interino Matthew Friedrich.

“Infelizmente, ainda hoje, em 2008, há casos em que crianças são manipuladas para entrar na prostituição nos Estados Unidos por cafetões que querem fazer lucro rápido em cima dos mais vulneráveis entre nós”, disse ele.

Fonte: O Globo

Posted in Tráfico de Crianças e Adolescentes | Etiquetado: , | Leave a Comment »

Governo federal rebate críticas dos EUA sobre tráfico de pessoas

Posted by Daniela Alves em junho 30, 2008

U.S. Department of StateAnálise norte-americana sobre a atuação do Brasil é “unilateral”, reage secretário nacional de Justiça. Relatório dos EUA aponta avanços, mas sugere ação mais efetiva contra o tráfico para exploração sexual e escravidão

As críticas dirigidas ao Brasil no “Relatório Sobre Tráfico de Pessoas 2008” do Departamento de Estado dos EUA, divulgado em 4 de junho, partem de uma visão “unilateral” do problema, avalia o secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior. “Reconhecemos a existência de problemas e trabalhamos para enfrentá-los. Outros países escondem a realidade e recebem elogios”, reage.

Para o secretário, a abordagem “unilateral” contida no documento dos EUA não reconhece o problema em todas as suas dimensões. Segundo ele, as ações previstas no Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (PNETP), que envolvem uma ampla gama de órgãos governamentais federais, estaduais e municipais, em estreita parceria com entidades da sociedade civil, não foram devidamente consideradas pelos norte-americanos. “O Brasil está sendo refém de sua competência”, contesta. A despeito de incorporar algumas metas pouco ousadas, o PNETP amplia a participação social.

Na opinião de Romeu Tuma Júnior, ex-delegado de polícia e filho do senador Romeu Tuma (PTB-SP), a questão do tráfico de pessoas precisa ser entendida, em certa medida, como o tráfico de drogas. “Sem o consumidor, esse tipo de crime não se sustenta”, salienta. Com isso, o secretário busca evidenciar o papel de outros países – inclusive ricos – na cadeia internacional do tráfico de pessoas. Esse foi um dos aspectos frisados por Romeu Tuma Júnior também no 1º Congresso Internacional do Mercosul e Estados Associados sobre o Tráfico de Pessoas e Pornografia Infantil, realizado semana passada em Buenos Aires, na Argentina. Representantes dos EUA e da França também participaram do evento e ouviram o posicionamento do governo brasileiro.

“Não é verdade que o crescimento econômico brasileiro esteja se dando com base no trabalho escravo”, declara o secretário, em resposta direta a uma das conclusões do relatório do governo norte-americano, que vincula o incremento do Produto Interno Bruto (PIB) de países como China, Índia e Brasil à exploração de vítimas de tráfico. No caso específico do Brasil, o documento enfatiza o fato de que metade das cerca de 6 mil libertações de trabalho análogo à escravidão realizada pelo grupo móvel de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em 2007 tenha se dado no cultivo de cana-de-açúcar. “É muito engraçado esse ataque ao etanol como parte de um relatório de ordem técnica”, ironiza Tuma Júnior, em demonstração de desconfiança com relação a possíveis interesses econômicos por trás do relatório.

Na parte dedicada ao Brasil, o Departamento de Estado dos EUA aponta avanços no enfrentamento ao tráfico de pessoas durante o último ano, mas também vê a necessidade de ações complementares para a erradicação desse crime – tanto no que diz respeito ao tráfico para fins de exploração sexual quanto de trabalho escravo. O relatório referente a 2008 classificou o país novamente, como em 2007, no grupo intermediário da lista – junto com outras nações que não cumprem todas as metas sugeridas, mas se esforçam no combate ao problema. No total, 170 países foram avaliados.

Os EUA colocam o lançamento do PNETP, em janeiro de 2008, como um avanço significativo. A repressão ao tráfico de pessoas para fins de exploração sexual foi considerada boa, embora lacunas sejam assinaladas com relação ao número de processo jurídicos iniciados. A Polícia Federal registrou 200 denúncias relacionadas ao aliciamento de mulheres com fins de exploração sexual no Europa, e outras sete denúncias em rotas internas.

Ação e reação
O relatório classifica como positivo o aumento dos serviços prestados aos trabalhadores retirados da escravidão – hoje todos recebem três meses de seguro-desemprego -, mas frisa que as ações do governo brasileiro são insuficientes para coibir o uso trabalho escravo e impedir que essas pessoas voltem à ser escravizadas.

Para o documento, a “lista suja” do trabalho escravo é uma ferramenta de combate “que continua a prover uma punição branda para aqueles envolvidos nesse crime tão sério, em grande parte pela humilhação pública e pelo impedimento dessas entidades [pessoas ou empresas] terem acesso a empréstimos em instituições financeiras estatais”, pondera o Departamento de Estado. “Durante o ano [de 2007], no entanto, um número razoável de indivíduos e empresas conseguiram remover seus nomes da ´lista suja´ através de liminares na Justiça.”

Segundo o “Relatório sobre Tráfico de Pessoas 2008”, o Brasil fez esforços modestos para fortalecer a lei contra tráfico de pessoas no período observado. Entre as recomendações, os EUA propõem uma legislação federal para punir as formas severas de tráfico de pessoas e continuidade nos esforços para investigar, instaurar processos e julgar os autores desse tipo de crime.

“Continua faltando ao Brasil um sistema centralizado de coleta, análise e documentação das decisões jurídicas antitráfico pelo país”, diagnostica o governo norte-americano, frisando a deficiência com relação ao controle de dados sobre o tema. O relatório recomenda ainda uma cooperação do Brasil com os EUA para investigar as acusações do trabalho forçado ligado às importações norte-americanas de ferro-gusa.

A interoperabilidade dos banco de dados federais e estaduais faz parte das ações previstas no Plano Nacional (PNETP), explica o secretário nacional de Justiça. “Os próprios norte-americanos não têm isso”, adiciona. “Estamos propondo inclusive um banco de dados para o Mercosul. O país é grande e o enfrentamento ao tráfico é recente. O maior interesse em construir isso é nosso”, prossegue. O representante do Ministério da Justiça (MJ) conta ainda que estão sendo instalados Núcleos de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas em diversos estados da Federação como parte do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci).

A legislação sobre o tema também está sendo “melhorada”, nas palavras de Romeu Tuma Júnior. “As mudanças legislativas têm seu ritmo”, pondera. Ele se defende: “Não há transferência de responsabilidade. Registramos mais de 600 inquéritos. E a quantidade de inquéritos mostra a disposição do governo em dar uma resposta à altura dos problemas”.

Critério político
Chile, Japão e Portugal estão junto com o Brasil no segundo grupo, além de outras nações que passaram por conflitos armados recentes, como Afeganistão, Serra Leoa e Ruanda. Fazem parte do primeiro grupo países que, segundo o critério dos EUA, cumprem todas as metas de combate ao tráfico de pessoas. Na lista estão europeus com alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), como Suécia, Alemanha e Reino Unido, mas também Espanha – destino de muitas mulheres vítimas do tráfico de pessoas para a exploração sexual – e países do chamado Leste Europeu, região de origem de mulheres traficadas para a Europa ocidental, como a Geórgia.

No “segundo grupo, em estado de atenção”, estão países como Argentina, Congo e Rússia. E, no terceiro, estão 14 nações que o relatório julga não fazerem esforços significativos para combater o problema. A maioria deles é do Oriente Médio, além de inimigas políticas dos Estados Unidos, como Coréia do Norte, Cuba e Irã. Em entrevista concedida à Repórter Brasil em 2007, Solmaz Sharif, do Escritório de Monitoramento e Combate do Tráfico de Pessoas do Departamento de Estado norte-americano, defendeu que a classificação é uma “análise objetiva” e leva em consideração a coleta de dados e contribuição de uma vasta rede de fontes.

Fonte: Repórter Brasil. 19/06/08

Posted in Tráfico de Pessoas | Etiquetado: , , , , | 2 Comments »