Blog – Daniela Alves

Base de Dados sobre o Tráfico da Vida Humana

Posts Tagged ‘exploração sexual’

Polícia desmonta esquema de exploração sexual de travestis em São Paulo

Posted by Daniela Alves em fevereiro 3, 2011

A polícia deteve na quarta-feira (2) cerca de 90 pessoas suspeitas de participar de um esquema de aliciadores de travestis no Nordeste do país, sendo alguns menores de idade. Eles eram trazidos para São Paulo para serem explorados sexualmente.

Em um cortiço na rua Hermínio de Lemos, 340, no Cambuci, na região central de São Paulo, foram encontrados 30 travestis. Seis deles eram menores de idade e foram encaminhados ao DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa). Em outra casa na avenida Cruzeiro do Sul, na zona norte da capital, estavam mais 60 travestis.

Um casal é suspeito de ser os aliciadores. Eles conseguiram fugir.

Segunda a polícia, o caso começou a ser investigado quando uma família de Belém prestou queixa do desaparecimento de um adolescente de 17 anos. Havia suspeita de que o menino estava em São Paulo e foi encontrado em uma das casas onde a polícia fez as abordagens na quarta-feira.

Fonte: http://noticias.r7.com/sao-paulo/noticias/policia-desmonta-esquema-de-explorao-sexual-de-travestis-em-sp-20110203.html

Posted in Debates | Etiquetado: , , | Leave a Comment »

Propostas de PREVENÇÃO contra o turismo e exploração sexual

Posted by Daniela Alves em outubro 14, 2010

O portal de convênios do Governo Federal já registrou 14 estados com propostas  neste sentido em dois meses da fase primeira do projeto geral de prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes no turismo.

A importância de empenhar cursos de multiplicadores na temática está  apresentando detalhes como a formação de 163 agentes das 27 unidades da Federação. Durante os cursos, representantes de entidades públicas e da sociedade civil foram capacitados para sensibilizar donos de hotéis, restaurantes, agências de viagens e demais atores do setor para não permitir a prática do crime em seus estabelecimentos. Continue lendo »

Posted in Debates | Etiquetado: , , , | Leave a Comment »

Trampas para prostituir infantes por internet Trampas para prostituir infantes por internet

Posted by Daniela Alves em outubro 2, 2009

* O ARTIGO ABAIXO ALERTA SOBRE SITUAÇÕES QUE ATUALMENTE SÃO APLICÁVEIS EM QUALQUER PARTE DO PLANETA. VALE A PENA LER E ALERTAR SOBRE OS PERIGOS DA INTERNET QUANDO UTILIZADA DE UMA FORMA NÃO-DEVIDA.

El uso del internet es herramienta poderosa para todo el mundo, no sólo para  los estudiantes que realizan gran parte de sus tareas con la ayuda del famoso buscador de Google o Wikipedia, sino también para redes y bandas de ciberdelincuentes que hallaron en el internet un poderoso aliado.

Según datos de Forrester Research,  una compañía de investigación de mercado en los EE.UU, más de mil 500 millones de personas se conectan a internet en el mundo, y para el 2013 la cifra podría llegar a dos mil 300 millones. En México, según cifras  del  Instituto Nacional de Estadística y Geografía (INEGI) el uso del internet creció en 341 por ciento desde el 2000 con más de 23 millones de personas conectadas .

Facebook, Metroflog, Hi5, Myspace, Sónico, ORKUT: un peligro
La proliferación de las redes sociales en la web, en las que los usuarios colocan datos personales, fotos y su correo electrónico al alcance  de todas las personas que añaden a su red social, la mayoría  desconoce que el crimen organizado usa la red para cometer ilícitos, que van desde la extorsión, fraudes, espionaje, entre otros, pero los más grave  son la trata de personas y la pornografía infantil.

Las redes sociales sirven a los pederastas para enganchar a sus víctimas menores de edad, aprovechando la ingenuidad de los pequeños, a los que les hacen promesas de convertirlos en actores o actrices, modelos, cantantes, usan todo tipo de artimañas para envolverlos.

Los pederastas aprovechan el anonimato que ofrece el internet, utilizan perfiles engañosos en  las redes sociales con fotos de hombres o mujeres bien parecidos, para atraer  a sus víctimas. Navegar a través del internet cada día es  más peligroso, pues niños y adolescentes ávidos de conocer gente nueva, por  curiosidad o juego,  caen en la trampa de gente sin escrúpulos y algunos terminan envueltos en  situaciones terribles que los marcan de por  vida y que difícilmente lograrán  superar.

“Los padres no atienden a sus hijos”
El Director de la Policía Cibernética del Distrito Federal, Gustavo Caballero Torres en entrevista con En Marcha, comentó, que “muchas veces los padres no están al pendiente de lo que ven sus hijos en la red y tampoco les advierten de los peligros y los riesgos de navegar en internet”.

Añadió que las redes sociales, como Facebook, Metroflog, La Jaula, Hi5, ORKUT son algunas de las páginas que usan los pederastas y delincuentes para  contactar a  jóvenes de todos los estratos sociales, quienes se aprovechan del anonimato que ofrece el ciberespacio.
Los delincuentes con argucias logran  ganarse la confianza de los usuarios que escogen, todo inicia como un juego. Caballero Torres dijo que la mayoría de las veces los enganchadores retan a los menores, como si se tratara de un  juego y les piden que se tomen fotos desnudos, les insisten hasta doblegar su voluntad.

Así inicia un camino a veces sin retorno, en ocasiones cuando las jóvenes ya no quieren  seguir con el “juego” de enviar más fotos  de sus desnudos,  los pederastas los amenazan con publicar sus fotos en el internet para exhibirlos; ante el temor de ser vistos por familiares y amigos  la mayoría continua en el juego perverso de los pederastas.

Tania, seducida a los 9 años
Gustavo Caballero narró el caso de Tania, una niña de nueve años del norte del Distrito Federal, enganchada en una red social por una persona de 26 de años que se hizo pasar por un joven de secundaria, quien abusando la corta edad de Tania la envolvió, la enamoró y durante tres meses mantuvieron un lazo sentimental en el ciberespacio, después la convenció para que huyera de su casa, con la promesa de poder realizar su amor, por espacio de tres meses tuvieron relaciones sexuales.
Después de un arduo trabajo de investigación, la policía logró dar con el paradero de Tania, quién fue encontrada  en pleno acto sexual con un amigo del sujeto que la enganchó.

Como el caso de la niña Tanía existen otros  similares y aún más aberrantes, dijo el director de la Policía Cibernética, como un caso resuelto por esa policía el 17 de abril de este año en que tras 21 meses de investigación se logró  la captura de 7 integrantes de una red de distribución de pornografía infantil en internet. En sólo un año, según cifras de esta corporación, la banda logró colocar 100 mil vídeos y fotografías de sexo explícito con bebes, niños y adolescentes.

Sacerdote pornográfico
En este caso el  Sacerdote Rafael Muñiz, de la parroquia San Pedro Apóstol en Jalapa Veracruz, fue detenido con su hermano por la policía cibernética, acusados de ser los  mayores distribuidores de pornografía infantil en la red. La computadora que el sacerdote usaba fue hallada  por la policía en la sacristía, el disco duro de la computadora contenía imágenes de sexo explícito con menores de edad, e inclusive con recién nacidos. En la red de pornografía infantil el sacerdote usaba el sobrenombre de “lobosiberiano”. Dicha red de pederastas operaba desde hace dos años en el Distrito Federal, Hidalgo, Puebla, Yucatán y Veracruz.

En algunas páginas que crean los pederastas se pueden encontrar anuncios dónde subastan niñas y niños cual mercancías, las pujas para comprar a un menor de edad inician desde mil 500 dólares como base y quién ofrezca la mayor cantidad durante la oferta adquiere al infante. Para concluir Gustavo Caballero comentó que de enero a julio de este año se han recibido mi 500 denuncias relacionadas con delitos cibernéticos, qué van desde la extorsión hasta la trata de personas.

20 millones de dólares, el negocio
Sadot Sánchez Carreño, director del Programa contra la Trata de Personas de la Quinta Visitaduría de la Comisión Nacional de Derechos Humanos (CNDH) sostiene que en nuestro país, hay otros ámbitos de vulnerabilidad que no se relacionan directamente con la condición de pobreza de las niñas y niños, sino sobre todo con su posibilidad de acceso a medios de comunicación electrónicos. Los datos que ofrece a En Marcha el funcionario federal oaxaqueño son preocupantes:
De los delitos cometidos a través de internet el 50 por ciento están relacionados con la pornografía y la prostitución infantil; se estima que generan en México ganancias anuales por más de 20 millones de dólares.

La edad de las niñas y niños que son prostituidos o abusados sexualmente para la producción de material pornográfico se ha reducido aceleradamente y se han identificado casos de niñas y niños de 0 a 4 años que son utilizados en la producción de esos materiales.
Según la Asociación Mexicana de Internet el 48 por ciento de los jóvenes mexicanos entre los 14 y los 19 años utilizan la red de internet durante 2 horas y 42 minutos diarios en promedio, expuestos a ser posibles víctimas de delitos cibernéticos.

La importancia de Internet en materia de trata de personas se debe a:
a. La utilización de este medio para enganchar a posibles víctimas
b. La utilización para promover u ofertar a las víctimas en el comercio sexual y laboral.
c. Para distribuir productos derivados de la explotación sexual, tales como imágenes y videos pornográficos.
d. El incremento de la demanda de servicios derivados de trata fomentado por el consumo de pornografía.

Descomposición Familiar
La Primera Encuesta Nacional sobre Exclusión, Intolerancia y Violencia en Escuelas Públicas de Educación Media-Superior muestra la falta de comunicación entre menores de edad y sus padres. Frecuentemente, la descomposición familiar y la falta de comunicación aísla a los menores y los empuja a buscar sustitutos, volviéndose presa fácil de los explotadores. Este factor se potencia mediante el empleo de internet.
La CNDH ha detectado que la violencia se presenta con mayor intensidad en los menores que viven sólo con su padre (o con ninguno). La frecuencia disminuye en el caso de niños que viven con ambos padres o sólo con la madre.

Senador propone penas
Este 10 de Junio durante  la sesión de la Comisión Permanente en el Senado de la República, el Senador oaxaqueño Adolfo Toledo Infanzón dijo en tribuna que la ejecución de delitos a través de estos medios electrónicos se ha convertido en una amenaza para la economía y la seguridad de las naciones.

Toledo dijo que en México se han incrementado anualmente estos delitos, así lo demuestran los datos proporcionados por el Departamento de informática y Telecomunicaciones de la Procuraduría General de la República, que en el 2004 atendió  668 solicitudes y para el año pasado la cifra fue de mil 800 casos.

El Senador del Revolucionario Institucional, precisó que nuestro marco jurídico si bien ha tenido algunas adecuaciones en la materia, al tipificar como figuras delictivas a quienes a través de medios electrónicos genere pornografía infantil y ejerza el turismo sexual, estos esfuerzos aún son insuficientes, pues hasta el momento no hay leyes que regulen los delitos que se cometen en la red. Por esta razón hizo una propuesta que propone incluir penalidades para delitos en materia cibernética.

Lo inobjetable es que falta mucho, por avanzar e impedir que legiones de infantes sean presa de este terrible mal que llegó junto con la modernidad tecnológica: la ciberdelincuencia.

Posted in Tráfico de Crianças e Adolescentes | Etiquetado: , , , , , , | Leave a Comment »

Más de 1.800 víctimas de explotación sexual fueron identificadas en Galicia en tres años

Posted by Daniela Alves em outubro 1, 2009

Las Fuerzas y Cuerpos de Seguridad del Estado en Galicia identificaron durante el período 2005-2008 un total de 1.845 víctimas de tráfico sexual, de las cuales el 95,5% eran de origen extranjero, especialmente brasileñas. Así lo explicó ayer el fiscal superior de Galicia, Carlos Varela, en la jornada de conmemoración del Día Internacional en contra de la explotación y trata de mujeres y niñas que se celebró en Santiago. Durante este acto, Varela anunció la elaboración de un protocolo de la Fiscalía Superior de Galicia en colaboración de la Xunta que incluirá medidas de prevención, investigación y tratamiento de las víctimas del tráfico sexual.

Según Carlos Varela, la mayoría de los delitos de prostitución forzosa se producen en clubes de carretera, algunos de los cuales se “han convertido en verdaderos complejos hoteleros”. Sin embargo, y como indicó el fiscal superior, la presión policial ejercida sobre los locales de alterne ha provocado que muchas mafias trasladen sus actividades a pisos privados y casas de citas. Para evitar el control administrativo y su identificación.

Se trata de unas organizaciones que en numerosas ocasiones tienen “rendimientos estimados por importe de 600.000 euros al año”. En el polo opuesto se encuentra la prostitución callejera, la modalidad menos ejercida en el territorio gallego.

De este modo, en el período transcurrido entre 2005 y 2008 las Fuerzas de Seguridad del Estado realizaron diversas actuaciones, de las cuales 460 correspondieron a clubs de alterne. Así mismo, la policía nacional desmanteló 59 redes de tráfico de mujeres.

Durante el acto contra la explotación sexual, Varela también dio cuenta de la dificultad de dar “datos oficiales sólidos”, ya que la prostitución forzosa es un “fenómeno clandestino, cerrado y complejo” que “lleva a la sospecha de cifras negras”.

Como explicó el fiscal gallego, la escasez de procesos judiciales por explotación sexual, no sólo se debe a la clandestinidad de la actividad, sino también a la dificultad de obtener denuncias de las mujeres que se encuentran en este situación, ya que la mayor parte de ellas no acusan a los proxenetas “por miedo a represalias o a ser repatriadas en situación irregular”.

Respecto a la situación irregular de las mujeres afectadas por la trata sexual, la Policía identificó que en el 14,08% de los 141 casos detectados las víctimas se encontraban en situación irregular.

De las 141 mujeres, un 39% son de nacionalidad rumana y un 29% brasileñas, lo que supone un cambio con respecto a la tendencia del anterior en el que la mayoría de las víctimas procedían de Brasil.

Para paliar la explotación sexual en la comunidad gallega, la Fiscalía Superior de Galicia iniciará un protocolo en colaboración con la Xunta sobre la adopción de medidas de prevención, investigación y tratamiento a las mujeres víctimas del trafico de personas con fines de explotación sexual. Este programa contiene una hoja de ruta para permitir la coordinación y colaboración entre organismos con competencia en esta materia.

El protocolo, “pionero a nivel autonómico”, tiene como uno de sus ejes centrales la colaboración con organizaciones para la asistencia a las mujeres traficadas, como Cáritas y Médicos sin Fronteras y tiene tres partes, una de las cuales se refiere a los derechos y obligaciones de las mujeres forzadas a la prostitución.

El documento también tiene una sección dedicada al régimen penal y procesual de la trata de mujeres, otra destinada a la coordinación de las actuaciones policiales y judiciales y define además un estatuto oficial para las mujeres afectadas por la prostitución forzosa.

“Con este protocolo procuraremos combatir al fenómeno de la explotación sexual y erradicar definitivamente esta actividad lucrativa que atenta contra los más elementales derechos humanos”, declaró Varela.

Fonte: http://www.farodevigo.es/sociedad-cultura/2009/09/24/1800-victimas-explotacion-sexual-identificadas-galicia-tres-anos/371166.html

Posted in Tráfico de Mulheres | Etiquetado: , | Leave a Comment »

Comissão discute ação integrada de combate à exploração sexual de jovens

Posted by Daniela Alves em fevereiro 17, 2009

A Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), através do Centro de Referência LGBT de Combate a Homofobia, se reuniu nesta quinta (12) com representantes do Comando Regional de Polícia Militar de Várzea Grande, Promotoria de Infância e Juventude e Associação Matogrossense de Travestis. O objetivo foi elaborar um plano de ação integrada de combate à exploração sexual e prostituição infanto-juvenil de jovens travestis em Cuiabá e Várzea Grande.

Durante a reunião, a coordenadora do Centro de Referência, Cláudia Cristina Carvalho, ressaltou a importância da articulação entre as instituições para a redução de menores nestes espaços. “O empenho de todas as partes neste processo poderá evitar que estes jovens permaneçam nestes locais. Sabemos que a prostituição não é crime no Brasil, mas o envolvimento de maiores de idade com estes travestis é previsto em lei”.

Cláudia afirma que antes de qualquer ação, é preciso uma mudança na mentalidade da população. “Tanto os travestis como toda a comunidade LGBT precisam ser reconhecidos como sujeitos de direito. Desde sua fundação, o Centro de Referência tem trabalhado para garantir esses direitos, reduzindo a discriminação e, consequentemente, os casos de violência”.

Presidente da Associação Matogrossense de Travestis há mais de quatro anos, Lilith Prado afirma que a freqüente aparição de menores nas zonas de prostituição em Cuiabá e Várzea Grande, tem gerado transtornos. “Trabalho nisso há 15 anos em Cuiabá e tenho conhecimento dos problemas que me rodeiam. Já fomos cobradas várias vezes pela presença de menores na nossa região, e sempre sobra complicações para nós”. Lilith comenta que o número de jovens nestes locais é crescente. “Se aparece um menor naquele lugar, nós podemos retirá-los de lá. Mas dias depois, eles reaparecem com mais dois e por aí vai”.

Para a promotora de Infância e Juventude de Várzea Grande, Josane Guariente, o trabalho de retirada de menores destas áreas será completo. “Vamos realizar um processo de identificação dos jovens, com o objetivo de procurar seus familiares e estabelecer um elo entre os dois. Não podemos apenas retirá-los destes locais, sem nenhum amparo social que sustente essa saída”, concluiu.

Fonte: http://www.circuitomt.com.br/home/materia/14354

Posted in Tráfico de Crianças e Adolescentes | Etiquetado: , | Leave a Comment »

Sancionada lei que agrava punições à pedofilia

Posted by Daniela Alves em novembro 26, 2008

O presidente Luis Inácio Lula da Silva anunciou nesta quarta-feira durante a solenidade de abertura do III Congresso Mundial de Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, que ocorre no Rio Centro, no Rio de Janeiro, até sexta-feira, a sanção da lei que altera os 240 e 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), visando aprimorar à combate produção, venda e distribuição de pornografia infantil, bem como criminalizar a aquisição e a posse de tal material e outras condutas que tenham ligação com a pedofilia na Internet. Com a modificação, que atendeu a uma sugestão da comissão mista que tratou do tema no Congresso Nacional, as penas podem agira variar de quatro a oito anos de reclusão.

Após o anúncio da sanção, Lula fez um rápido discurso, alegando atraso para um compromisso que ainda teria na noite de ontem com o presidente da Rússia, no Palácio Laranjeiras, residencial oficial do governador do Estado. Ao falar de improviso, ele criticou a hipocrisia que gira em torno do tema, não poupando as religiões e os meios de comunicação. “É preciso acabar com a hipocrisia das religiões no tratamento dessa questão e dos meios de comunicação que veiculam violência e sexo 24 horas por dia”, destacou o presidente.

Segundo Lula, no Brasil, a Constituição de 1988 e depois o ECA, criou leis para combater o problema da exploração sexual e a impunidade, mas se vislumbrou posteriormente que a situação não depende apenas de legislação. Para ele, há na sociedade por todo o mundo uma hipocrisia que gera atitudes “animalescas” contra as crianças. De acordo com Lula, é preciso acabar com a história de que o problema da exploração é oriunda da dificuldade de pobreza da população. “Em muitas classes médias pelo mundo esse drama acontece diariamente”.

Lula também defendeu que a educação sexual seja tema na escola já a partir dos 10 anos de idade e que o assunto seja discutido pelos país de forma aberta. Antes do presidente, essas sugestões haviam sido feitas por dois jovens paquistanes que participaram da mesa de abertura representando os jovens que estão no Congresso. Para o presidente, se os jovens não aprenderam as noções de sexo na escola e em casa, aprenderam da forma mais “animalesca possível nas ruas”, o que os tornará presas fáceis dos aliciadores e manipuladores do sexo como comércio.

Fonte: http://www.opovo.com.br/brasil/839756.html

Posted in Tráfico de Crianças e Adolescentes | Etiquetado: , | Leave a Comment »

Violência e medo são cotidiano de vítimas da exploração sexual

Posted by Daniela Alves em novembro 2, 2008

O silêncio das ruas de Campo Grande abafa a gravidade do crime de exploração sexual de crianças e adolescentes. Nesse universo cortinado, meninos e meninas são violentados, custeiam o consumo de drogas com a exploração de seus corpos, são ofertados em casas noturnas, recebem ameaças de traficantes, dormem de dia, em prédios abandonados, para escaparem da morte, que pode chegar no breu das noites. Um dos agravantes é a idade: parte dessas crianças conhece a violência das ruas com apenas cinco anos de vida. A assistente social Vânia Nogueira, coordenadora do projeto “Acelerando Passos” do IBISS/CO (Instituto Brasileiro Pró Sociedade Saudável), revela parte do cotidiano das vítimas infantis da exploração sexual. O projeto combate a violência sexual contra crianças e adolescentes, desenvolvendo estratégias como mapeamento dos lugares onde ocorre esse crime, abordagens às vítimas, realização de oficinas e ações conjuntas com a rede de proteção desse público.

Ir até as crianças e adolescentes explorados é ação imprescindível em razão da natureza do projeto. Essa ação possibilita à assistente social Vânia e à sua equipe conhecer o mundo das pequenas vítimas. Mas esse conhecimento não é tarefa fácil. A dificuldade inicial consiste em descobrir os adolescentes, por eles esconderem a idade e/ou por serem mantidos em lugares escusos de casas noturnas.

Apesar dessa dificuldade, o projeto consegue retirar parte do pesado véu que cobre o crime e identificar, nas ruas e casas noturnas da cidade, adolescentes sendo explorados sexualmente. Vânia conta que, nas últimas semanas, sua equipe identificou cinco adolescentes, entre 15 e 17 anos, vitimados pelo comércio do sexo: três foram descobertos em pontos e duas, em casas noturnas.

No entanto, essa forma de exploração – em que os adolescentes já estão nos lugares pré-considerados para fins do comércio do sexo – corresponde a um fio do emaranhado do crime. Meninos moradores de rua também podem ser sucumbidos a esse comércio. Em outros casos, os adolescentes são explorados sem deixar suas casas.

Sexo com crianças e adolescentes sempre se configura exploração e, por decorrência, crime. Mesmo quando não há a figura do cafetão, as crianças e os adolescentes continuam explorados. “Os exploradores são os clientes. Como adultos, eles devem ter consciência do ato”, explica a assistente social.

Vânia conta que as explorações de meninas e de meninos podem ocorrer de maneiras particulares. “Muitas meninas continuam tendo uma vida, de certa forma, normal: vão para a escola, têm suas amigas. O que muda é que começam a usar vestidos mais caros, sapatos… Então, vêem a exploração como algo positivo”, conta a assistente social. Esse comportamento pode provocar a errônea idéia de culpabilidade da própria vítima. “Não se pode esquecer que quem deve ter a consciência é o adulto”, reforça.

Os meninos, por sua vez, são violentados nas ruas. A maior parte das crianças e adolescentes, que moram nas ruas, é formada por meninos, de acordo com a assistente social. Iniciados por traficantes no consumo de drogas, esses meninos passam a ter a necessidade diária de dinheiro para o alívio da fome e do vício. O dinheiro provém de pequenos roubos, da mendicidade e da exploração sexual dos tenros corpos.

A Praça Ari Coelho está em meio à rede, traçada por histórico de violência doméstica, abandono do lar, consumo de drogas, narcotráfico e comércio sexual. Em apenas uma abordagem, a equipe do projeto constatou a presença de 12 meninos na praça. Parte deles abaixo da idade escolar. “Há crianças de 5 anos morando nas ruas”, conta Vânia. Introduzidas no consumo de drogas, essas crianças passam a ter a mesma necessidade dos meninos mais velhos de conseguirem dinheiro.

A morte é uma possibilidade no cotidiano desses meninos. Para afugentá-la, eles trocam o dia pela noite. A assistente social conta que, durante o dia, eles dormem em mocós (construções abandonadas) e se agrupam, sobretudo na praça Ari Coelho. “Eles tem medo de dormirem à noite e serem mortos”, diz Vânia. O medo das crianças e adolescentes moradores de rua emana dos traficantes.

Como dormem pelo dia, os meninos têm a noite para conseguirem dinheiro, comerem e consumirem drogas. E também para seguirem como vítimas do crime de exploração sexual.

Fonte: Midia Max

Posted in Sem-categoria | Etiquetado: | Leave a Comment »

Lustosa: Brasil é referência mundial no combate à pedofilia

Posted by Daniela Alves em outubro 21, 2008

Começa nesta segunda-feira (20), em Brasília, e segue até quarta-feira (22) a conferência preparatória para o III Congresso Mundial de Enfrentamento da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, que ocorre em novembro no Rio de Janeiro. Organizado pela Secretaria de Direitos Humanos e com participação de cinco ministérios, o encontro deverá reunir cerca de três mil participantes de todo o mundo. A delegação brasileira deve ter 800 participantes, dentre os quais oito parlamentares – quatro da Câmara e quatro do Senado. Espera-se ainda a participação de 27 deputados estaduais, um de cada unidade da Federação.

Em entrevista à Agência Câmara, o presidente interino da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, deputado Paulo Henrique Lustosa (PMDB-CE), acredita que o Brasil tenha sido escolhido para sediar o encontro “porque é muito rico em experiências”. Como exemplo, o deputado destaca que, recentemente, pela primeira vez no mundo, o Google promoveu a quebra de sigilo de seus usuários, a partir de negociação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia, do Senado. Com isso, segundo ele, os parlamentares conseguiram mapear todos os participantes do Orkut que oferecem material relacionado à pedofilia. “Isso é referência no mundo, porque só nós conseguimos fazer, e a partir da atuação do Legislativo”, sustenta.

Agência Câmara – Quem são os oito parlamentares que vão participar do III Congresso Mundial de Enfrentamento da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes?

Paulo Henrique Lustosa – Serão quatro parlamentares da Câmara e quatro do Senado. Vão participar pela Câmara a coordenadora da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, deputada Maria do Rosário (PT-RS), eu, o deputado Eduardo Barbosa (PSDB-MG) e a deputada Rita Camata (PMDB-ES). Os parlamentares do Senado, a senadora Patrícia Saboya (PDT-CE) ficou de indicar. Ela certamente deve ir.

Agência Câmara – Na próxima semana, ocorre um conferência preparatória para o Congresso, com uma consulta pública sobre o tema. Como será essa consulta?

Lustosa – Essa conferência será organizada pela Secretaria de Direitos Humanos com participação do Conselho Nacional da Criança e do Adolescente, dos ministérios do Desenvolvimento Social e da Justiça, da Polícia Federal, do Ministério Público, da Defensoria Pública, para discutir os temas que as organizações brasileiras pretendem levar para o Congresso.

Agência Câmara – Os parlamentares já definiram uma pauta de participação no encontro?

Lustosa – Devemos discutir a harmonização legislativa, tanto do ponto de vista nacional quanto internacional; a experiência da CPMI de Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes; a pedofilia e os crimes na internet, e conseguimos um espaço específico para um diálogo legislativo entre os parlamentares de todo o mundo.

Agência Câmara – Esse diálogo vai ser para tratar especificamente da harmonização da legislação? Continue lendo »

Posted in Sem-categoria | Etiquetado: , , | Leave a Comment »

ABIH e MTUR em campanha contra a exploração sexual infantil

Posted by Daniela Alves em outubro 15, 2008

Uma parceria entre a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) e o Ministério do Turismo, produziu novo material de campanha contra a exploração sexual de crianças e adolescentes. São displays que serão distribuídos para empresas de hospedagem de todo o país, com mensagem dirigida aos hóspedes e agentes do setor hoteleiro.

A ação faz parte do Programa “Turismo Sustentável & Infância”, que pretende sensibilizar os agentes que integram a cadeia produtiva da indústria turística no sentido de contribuir para a proteção da infância contra a exploração sexual no turismo.

Em Foz do Iguaçu (PR) o material da campanha começa a ser distribuído ainda esta semana. Mauro Sebastiany, dirigente da ABIH Regional Oeste do Paraná, disse que é necessário envidar esforços para que as crianças e adolescentes não se tornem vitimas de quaisquer tipos de violência ou exploração.

Fonte: http://www.h2foz.com.br/modules/noticias/article.php?storyid=10278

Posted in Tráfico de Crianças e Adolescentes | Etiquetado: | 1 Comment »

MADAGÁSCAR: Visitantes sim, turismo sexual não

Posted by Daniela Alves em outubro 15, 2008

Os pôsteres de advertência começam no aeroporto da capital, Antananarivo, a informar aos visitantes que Madagascar diz “NÃO ao turismo sexual”e que “mulheres malagaxes não são souvenirs de viagem”.

Grandes cartazes a informar aos que chegam que as autoridades irão processar aqueles que forem pegos praticando sexo com crianças acompanham o caminho para a cidade, e em hotéis turísticos – junto a um pôster colorido que diz “Bem-vindo a Madagasikara – a terra dos lémures” – é provável que haja um aviso de que o hotel tem o direito de verificar a idade de qualquer pessoa que acompanhe os hóspedes aos seus quartos.

Madagascar, a grande ilha tropical na costa leste da África, está a tentar sair do mapa de turismo sexual, e especialmente a fechar as portas para os pedófilos à procura de menores.

Para enfatizar o compromisso, o governo adoptou uma nova lei contra a exploração sexual de menores que inclui punição dos exploradores adultos; como resultado, diversos estrangeiros foram condenados.

Mas um passeio à noite pelas ruas de Toliara, uma cidade turística que está a prosperar no sul de Madagascar, mostra que ainda há muito a ser feito. Profissionais do sexo dominam as ruas, a jogar beijos e acenar para os estrangeiros, na tentativa de lucrarem com os turistas que não estão a visitar essa empobrecida ilha do Oceano Índico pela sua biodiversidade única.

“É um lugar muito barato, as mulheres são bonitas, há pouco controle do turismo sexual. Ninguém diz nada a respeito; pode-se vir aqui e fazer o que quiser” disse Jose Louis Guirao, que gere projectos da Bel Avenir, uma organização não-governamental (ONG) que promove iniciativas sociais e relacionadas a educação e saúde. “As mulheres começam quando têm 10 a 12 anos; são muito novas.”

Um relatório realizado pelo Departamento de Estado dos EUA este ano afirmou que Madagascar era um “país onde mulheres e crianças são traficadas para os propósitos de exploração sexual”, mas elogiou o governo por estar a tentar acabar com o problema.

A realidade

A realidade é que as crianças, em geral nas áreas rurais, são altamente vulneráveis à exploração: são traficadas para escravidão doméstica, trabalho forçado e trabalho sexual. As crianças muitas vezes entram no mercado de trabalho com a aprovação das mães, para quem sua renda pode ser a única fonte de sustento. Na Província de Toliara, por exemplo, 80 por cento das pessoas vivem na pobreza.

''Nós aceitamos qualquer cliente que houver porque precisamos do dinheiro. Eu não digo ´não´, mas a menina que consegue o cliente loiro, francês ou americano, é a que tem a melhor sorte.''

Bruno Maes, representante em Madagascar e nas Comores do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), é categórico na sua condenação da exploração sexual de crianças.

“Uma criança que é vítima de abuso sexual pode sofrer consequências sérias e para a vida inteira; é um crime que é totalmente inaceitável em todos os contextos. A UNICEF tem consciência da sua disseminação em Madagascar”, disse.

No escritório da Bel Avenir, Aline, uma profissional do sexo, participa de uma reunião com suas colegas, algumas das quais trouxeram seus filhos, para saber mais sobre seus direitos, oportunidades futuras e protecção.

Aline faz piadas e brinca com os preservativos distribuídos pela ONG, mas fica séria quando fala sobre seu trabalho. “Nós aceitamos qualquer cliente que houver – precisamos de dinheiro. Eu não digo não, mas a menina que consegue o cliente loiro, francês ou americano, é a que tem melhor sorte”, disse ela. “Muitos estrangeiros vêm para Toliara e ficam com meninas. Eles gostam de Madagascar, mas gostam ainda mais das meninas mais jovens.”

Os principais países de onde vêm os turistas sexuais são França, Itália, Espanha, Alemanha e Suíça, e as ilhas vizinhas Maurícias e Reunião. As vítimas em geral são meninas, mas registos de turistas estrangeiros homens à procura de meninos menores de idade está a tornar-se mais frequente.

Grupos militantes dizem que progresso está sendo feito na luta contra o turismo sexual, mas o controlo é difícil por causa da corrupção, e até mesmo protesto dos pais das crianças – prostituição é frequentemente uma ocupação hereditária passada adiante para as próximas gerações.

Madagascar até agora foi muito menos afectada pela SIDA do que a maioria dos países da África continental, mas organizações internacionais advertem que isso pode mudar rapidamente. “A completa falta de conhecimento sobre a doença, segundo o que vejo aqui, significa que em breve pode ser muito, muito pior”, afirmou Guirao, da Bel Avenir.

Um rápido crescimento económico relacionado aos projectos locais de mineração atraiu profissionais do sexo do outro lado da ilha para as novas cidades, e uma epidemia de sífilis na cidade de mineração Fort Dauphin no sudeste em 2007 foi alarmante: apontou para a escassez de uso do preservativo, além de que infecções sexualmente transmissíveis aumentam o risco da transmissão de HIV.

Ao ser questionada sobre o uso de preservativos dados pela Bel Avenir, Aline disse: “Muitos clientes não querem usar, e dão dólares ou euros, então concordo em não usar. Assim é a minha vida em Madagascar”.

Fonte: IRIN.

Posted in Tráfico de Crianças e Adolescentes, Tráfico de Mulheres | Etiquetado: , | 1 Comment »